Estudantes
Notícias

Empresa alemã investe em arrendamento a estudantes em Portugal

Com apartamentos de 25 a 30 metros quadrados, investidores alemães lançam projeto de arrendamento a estudantes em Portugal. O programa “Staytoo” parte de uma das maiores empresas alemãs, MPC Capital, e visa introduzir ações no mercado das residências universitárias e em imóveis de pequena dimensão.

O total do investimento gira em torno de 50 e 100 milhões de euros apenas para o território Português, que vai priorizar Lisboa, Porto e Coimbra. Os arrendamentos para os estudantes serão os mesmos valores praticados na Alemanha, entre 400 e 600 euros mensais por apartamento. É a primeira vez que a empresa se lança no mercado internacional e o primeiro ativo já foi adquirido, bem no centro de Lisboa.

“O primeiro projeto da Staytoo para Lisboa já está em desenvolvimento. É um edifício que vai ser construído de raiz, com 200 apartamentos, numa zona privilegiada de Lisboa e que deverá estar concluído em 2019”, confirmou ao Expresso o CEO da MPC Capital, Rainer Nonnengasser, semana passada. A MPC Capital visa ainda fechar negócio no Porto em breve e busca edifícios por reabilitar.

“Temos andado à procura de lotes de terreno, também em Carcavelos, junto ao futuro Campus da Nova, e imóveis para reabilitar dos anos 70 e 80, antigos edifícios de escritórios ou hotéis”, revelou Nonnengasser. As localizações cobiçadas pelo projeto são sempre nos centros urbanos.

“Este conceito do micro-living aplica-se a estudantes e jovens profissionais que procuram algo novo, orientado para o design, que apreciem o ambiente de comunidade e partilha, mas que seja acessível e por um período limitado de tempo. Do ponto de vista de quem vem de fora e aqui vai ficar um ano ou pouco mais, é importante ficar no centro da cidade, onde tudo acontece”, explicou.

O primeiro empreendimento adquirido em Lisboa contará com um jardim aberto ao público em geral, com anfiteatro para espetáculos e um restaurante, para o qual a MPC está já a receber ofertas de algumas marcas. Os edifícios terão também áreas comuns, como lavandaria e zona social, equipada com internet, TV e PlayStation.

“O mercado em Portugal não está maduro e isso é muito interessante para nós. Atualmente diria que temos entre dois a quatro concorrentes e mais dois ou três que estão também à procura de oportunidades em Portugal. Nada que se compare a mercados competitivos na área do micro-living com o Reino Unido, por exemplo”, apontou o responsável.

No último ano letivo de 2015/2016, os estudantes estrangeiros em Portugal representaram 38mil alunos, um equivalente a 11% da população estudantil daqui.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *