Notícias

Alojamentos nos Aliados por 200€ ao mês

porto_alojamento

A mutualista Associação Lutuosa de Portugal quer reabilitar o edifício para construir cerca de 40 residências universitárias de baixo custo no coração do Porto. A Invicta será mais uma opção de lar para os estudantes estrangeiros que pretendem vir para o Porto no ano letivo de 2018/19.

 

Em plena Avenida dos Aliados, onde hotéis e financeiras dominam, o número 168 terá como objetivo receber estudantes por no máximo 200 euros por mês. A mutualista quer aproveitar o “boom” turístico da cidade, eleita pela terceira vez o melhor destino europeu.

 

O preço, no entanto, é o grande diferencial. A Baixa é cobiçada e por isso geralmente tem os arrendamentos mais caros. O contraste também chama a atenção pelo público-alvo da associação: estudantes.

 

“São os mais baratos do mercado. O nosso propósito não é tirar lucros, isso iria contra os estatutos da Lutuosa. Sabemos que há uma enorme procura por este tipo de equipamentos. Os estudos realizados apontam para uma grande receptividade”, disse Manuel Amaro, presidente da entidade há dois mandatos, em coletiva.

 

Os 40 alojamentos serão distribuídos em cinco pisos. Cada residência contará com casa de banho privativa, mas as zonas de refeições e convívio serão comunitárias. Outra vantagem que Amaro destaca é a proximidade do metro.

 

O projeto foi aprovado pelo Porto Vivo Sociedade de Reabilitação Urbana e suas obras devem começar entre junho e julho deste ano. A previsão dos trabalhos é de pelo menos um ano, já que a ideia é receber os inquilinos no início do ano letivo de 2018/19.

 

As instalações são para estudantes nacionais e estrangeiros, além de abrangerem os Erasmus. A única condição é associar-se a uma mutualista. Na Grande Porto já são 260 mil inscritos, a maioria séniores. Isso revela o objetivo da instituição: rejuvenescer a base de sócios e trazer mais jovens. O valor da quota mensal varia entre um euro e 2,75 euros.
O presidente da associação explicou que ainda é cedo para tratar do tema, já que esta é a primeira apresentação pública do plano. Ele destacou que não será preciso recorrer à Banca para reabilitação, já que “o dinheiro para as obras está garantido”.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *