estacionamento_lisboa
Notícias

Bairros históricos de Lisboa terão soluções de estacionamento

Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), certificou mais uma vez que o problema da falta de estacionamento para residentes de regiões turísticas de Lisboa é a prioridade de 2017. Entretanto, o administrador da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), Jorge Oliveira, não percebe qual possa ser a solução para tal problema, devolvendo a pergunta ainda sem resposta à Câmara: “Como é que vamos resolver isto?”.

 

Irritados, os moradores estão a pedir limites de licenciamento dos alojamentos turísticos já há bastante tempo. Porém Medina crê que são os grandes hoteleiros que saem a ganhar com tal limitação. Santa Maria Maior, Misericórdia e Santo António são as freguesias mais afetadas e que tiveram maior participação na última reunião municipal, quarta-feira passada. “Este problema é recorrente porque nós não temos nenhuma solução perfeita para o problema básico que é termos muito mais carros do que lugares”, disse Medina ao jornal Público.

 

Uma estimativa mostrou que faltam cerca de 2 mil lugares par residentes apenas entre o Rato e o Cais do Sodré. Um dos agravantes é a circulação de carros sem dístico de morador em zonas onde o acesso automóvel é condicionado com pilaretes da EMEL. Os turistas não estão informados sobre os condicionamentos e as confusões são recorrentes.

 

As queixas dos moradores foram tantas que o presidente da Câmara se disse disponível par alterar o sistema completamente se necessário. “Há quem me sugira que não devia haver pilaretes nenhuns. Cada um entrava, devia-se cobrar 10€ à hora para os que não são residentes. É uma ideia”, prosseguiu o autarca.
Oliveira, em resposta a Medina, afirmou que aumentará o número de ruas com estacionamento exclusivo para moradores. Ação que já foi posta em prática em Alfama e em Santo António há poucos dias. Outra proposta é a ligação de futuras carreiras da Carris com os parques cujas zonas são inacessíveis. Entre as possibilidades de “meios de mobilidade suave” estão escadas rolantes que vão ligar a Praça do Martim Moniz à Rua do Marques Ponte de Lima e posteriormente à Costa do Castelo.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *