Edifício_em_construção
Notícias

Bancos estrangeiros investem no imobiliário português

Os bancos europeus, nomeadamente alemães e holandeses, estão a sondar promotores imobiliários em Portugal, oferecendo financiamento para novos projetos, até agora parados por falta de crédito. A procura é confirmada pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP).

“Pedem-nos que sejamos uma espécie de ponte com os promotores para anunciar que há interesse em conceder crédito. É bom para as empresas que não encontram alternativas viáveis junto da banca portuguesa e é bom para os bancos estrangeiros, que nos países de origem financiam a construção com spreads de 1% e aqui podem ganhar taxas de 3%”, afirmou uma fonte não nomeada citada pelo Diário de Notícias.

A informação foi confirmada pelo presidente da APEMIP, Luís Lima, sublinhando que “há realmente vontade de bancos estrangeiros em financiar a construção em Portugal”, num movimento que este responsável apoia. “Pela saúde do mercado, equilíbrio de preços e até redução da especulação que infelizmente começa a surgir é importante que haja nova construção”, sustentou.

Pelas contas da APEMIP, a banca nacional está a conceder apenas 5% do crédito que circulava antes da crise. As contas são confirmadas pelo Banco Portugal, cujos dados revelam que em dezembro de 2012 os empréstimos para construção ascendiam a 19.983 milhões de euros, quando no mesmo mês de 2016 fixava-se em 11.049 milhões. Apesar da recuperação dos últimos meses, o crédito às empresas de construção baixou 14,3% e está em mínimos de 16 anos.

“A construção ainda é vista em Portugal como um setor de risco e, estando os bancos portugueses mais pressionados em termos de rácios de capital, têm mais dificuldade em conceder empréstimos. A carteira de crédito malparado na construção é muito elevada. Os bancos estrangeiros, de maior dimensão, têm maior capacidade para oferecer crédito”, explicou fonte da banca ao diário.

Luís Lima considerada que esse não é motivo único. Além das dificuldades de financiamento, Portugal tem hoje um setor muito mais pequeno. “A crise fez desaparecer 90% dos promotores e os poucos que teriam capacidade para avançar com capitais próprios têm medo de arriscar.”

Consequência natural

O interesse da banca estrangeira é “uma consequência natural, num mercado imobiliário que está consolidado e que é atrativo à escala internacional”, defende por seu turno Reis Campos, presidente da AICCOPN, a Associação dos industriais de construção civil e obras públicas. “Se a banca residente não tem capacidade para dar resposta aos desafios que se colocam, é normal que a banca estrangeira se posicione para captar novos clientes.”

De facto, a construção nova caiu acentuadamente desde 2001, ano em que se licenciavam 114 mil novos fogos e o setor empregava 900 mil pessoas. O mínimo foi batido em 2014, com 6785 casas, uma média mensal de menos de dois fogos por concelho. Em 2015 e 2016, já com a troika fora de Portugal, inverteu-se a crise, com crescimentos de 21% e 38% e a criação, só no ano passado, de 27 mil empregos. Em 2016, concluíram-se 11 344 casas novas. Este ano, a construção de edifícios deverá crescer 3,1%.

“Onze mil casas novas é muito pouco. São 10% do volume de 2001”, sublinha Reis Campos.

Os bancos com maior perfil de financiamento ao setor da construção e imobiliário eram, antes da crise financeira, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Banco Espírito Santo (BES). Hoje já são os bancos espanhóis os que mais concedem crédito para este fim em Portugal. Mas os bancos da Alemanha e da Holanda estão também atentos às oportunidades de negócio num mercado imobiliário em rápida expansão.

“Há um empurrão que foi dado pelo turismo e pelos vistos gold, que está a atrair investimento estrangeiro para o imobiliário”, admite o presidente da AICCOPN.

As taxas de juro, historicamente baixas, também ajudaram, permitindo aos mais jovens ter acesso ao crédito para compra de casa. “Neste momento, fruto da atratibilidade do imobiliário e do crescimento exponencial do turismo, estamos a assistir a uma maior procura de habitações, sobretudo nos centros de algumas cidades”, diz Reis Campos.

Este fenómeno levou a que os preços pedidos pelas casas disparassem 28% num ano. “A procura de casa cresceu 20% nos primeiros meses e poderá chegar aos 30% até final do ano. Começa a haver escassez de oferta de qualidade. Precisamos urgentemente de nova construção”, alerta Luís Lima.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *