mercado imobiliário
Notícias

Mercado imobiliário: há 24 novas casas por dia

CPCO mercado imobiliário de Lisboa e Porto foi tomado por um frenesim da reabilitação urbana. Nos últimos três anos, os centros históricos dessas cidades sofreram modificações imensas e o número de projetos triplicou.

Por causa disso, a construção de novos edifícios emergiu. De acordo com os dados da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI), só nos primeiros oito meses de 2017, foram licenciados um total de 12.347 fogos.

Destes, 8.392 são de construção nova, cujo 5.809 destinaram-se a habitação familiar. Ou seja, uma média diária de 24 unidades novas, destacou o Expresso. A melhora no mercado português atraiu investidores internacionais e a expansão imobiliária não deu conta da procura.

“O licenciamento total de obras [entre públicas e privadas] nos primeiros oito meses do ano registou um crescimento de 13,4% face ao valor apurado no período homólogo do ano passado. E o crescimento das licenças de obras de construção nova é, no mesmo período, de 20,1%. Há, sem dúvida, um grande aumento de construção nova para habitação familiar”, confirmou Reis Campos, presidente da CPCI.

Os empreendimentos de luxo aproveitaram a tendência. A consultora Engel & Völkers é um dos maiores exemplos. “Neste momento, há muito interesse em comprar terrenos para fazer projetos, e já há muitos deles a serem desenvolvidos, apesar de ainda não terem entrado em comercialização. Mas durante o próximo ano, já começarão a surgir em várias zonas, não só em Lisboa, mas também no Estoril, Oeiras e Cascais”, adiantou Manuel Neto, responsável por várias agências da Engel & Völkers.

Tudo indica que 2018 será um ano importante do mercado imobiliário. “Vai haver um novo boom de construção. Há muita procura para o segmento mais alto, mas é uma tendência generalizada também para projetos destinados ao segmento médio. São terrenos que estão a ser comprados, alguns já com projetos, outros com projetos aprovados há seis anos, ainda no período pré-crise, e que têm agora de ser reformulados”, revela Manuel.

Para o agente, o mercado imobiliário terá uma nova perspetiva de preços para o ano. Os fogos de construção nova acompanharão a subida. Em Lisboa, prevê-se expansão em bairros como Santos, Santa Apolónia, Graça, Campo de Ourique e Campolide.

O diretor da Porta da Frente/Christie’s, Rafael Ascenso, explica porquê: “São zonas que vão absorver a procura que existe. A realidade é que esta dinâmica está a expandir-se para fora do centro, e nestes locais é ainda possível encontrar terrenos para construir de raiz.”

Os maiores investidores são do Médio Oriente, Brasil e alguns países da Europa.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *